4 de maio de 2014

Armadilha

Sou violento quando permaneço em silêncio
Para não arrancar palavras sem sentimento
Sou perverso por ocupar alheios pensamentos
Maluco por espreitar da dor o movimento

Nessa fixação de punir e castigar
Sobrevivo de meias verdades para nada revelar
Mesmo sofrendo continuou a violentar

Aquecido com memórias antigas
emaranhado entre contos e mentiras
durmo sem esquecer da cruel armadilha.


3 de maio de 2014

Entre

De todos os tons e sons
fui feito para sentir
De todas as formas e regras
fui feito para pensar
Entre ventos e nevoeiros
sou humano para tentar
Entre ondas e ventanias
posso reinventar
Como um lápis rabisco botecos e amores ao mar
Entre todos e um, toda gente sabe sonhar
Na escultura da vida cada sonho é um despertar


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...